terça-feira, 26 de junho de 2012

Fios de Luz


107 (2)
 



Mais uma vez
a noite cobriu de cinzas
meu abandono.
As lembranças são fios de luz
que passeiam em tua ausência
escrevendo um poema antigo
nas páginas de meu sono.
 
Na solidão de minh'alma vazia,
meu corpo pede o teu.
Agora é preciso reinventar
uma nova forma de existir,
sem tua presença.
 


















Nenhum comentário: